autoconhecimento

Autoconceito, Infância e PNL

Vanessa Gon

Psicóloga

       O autoconceito de uma criança vai sendo construído a partir do que ouve falar sobre ela, da imagem que vê refletida nos olhos dos adultos e pela forma como se sentem sobre si mesmas, e assim, começam a constituir sua identidade.

          Para auxiliar na construção de um conceito de si próprio mais nítido e baseado em dados de realidade, devemos estar atentos acerca da forma como nos comunicamos com a criança, a qual se torna elemento fundamental para a construção de crenças que limitam suas possibilidades e prejudicam seu autoconceito positivo.

      Alguma vez você já acompanhou uma mãe dizer que seu filho “é bagunceiro”? Tal afirmação se refere à identidade desta criança, ao que ela é, sendo assim, fará de tudo para agir desta maneira e provar que sua mãe está certa.

      Partindo dessa concepção, é importante separar o comportamento (o que a criança faz), de sua identidade (quem ela é). Veja como facilitar a construção de um autoconceito positivo agregado a uma necessidade de mudança de comportamento: “Você deixou seus brinquedos bagunçados (ação/ comportamento), se recorda de como fica melhor quando estão organizados? Você deixa tão organizadas suas roupas! Consegue deixar os brinquedos também? Vamos organizar? ”.

   Percebe o quanto a primeira afirmação é diferente da segunda? Na segunda situação, a criança percebe os resultados de suas ações, recebe um comparativo com o melhor que ela pode ser, tem um mapa de como fazer para organizar seus brinquedos, assim como fez com as roupas e ainda tem preservado seu autoconceito e identidade.

      De acordo com a Programação Neurolinguística, nós podemos ajudar crianças a programar a forma com veem o mundo e como se percebem nele.

      Apenas altere seu padrão de comunicação, baseando-se no que objetivamente ocorre e nas evidências existentes, pois você é capaz dizer o que mais lhe agrada nos comportamentos de seu filho, mantendo preservada a imagem positiva de quem ele é.