Posts Tagged ‘convívio’

O que lhe impede de brincar com seu filho?

Vanessa Gon

Psicóloga

       A construção de nossos melhores sons, imagens e sensações da infância, advém de momentos valiosos de contato, afeto e do livre brincar. Isso marca nossa história. Daqui vinte anos, como você gostaria que seu filho lembrasse da própria infância? Que papel você gostaria de ocupar em suas memórias?

         Talvez você esteja se questionando que adoraria poder dedicar mais tempo para brincar, dramatizar e jogar com seu pequenino, mas quando fazer isso? Tenho certeza de que sua agenda é muito apertada e já tem que fazer muitos malabarismos para administrar tantas atividades, porém, também sei que quando um compromisso é realmente importante, conseguimos priorizar.

        Aproveite momentos, sejam eles aqueles dez minutinhos após o almoço, no trajeto para casa, à espera de uma consulta médica ou após sua chegada do trabalho.

        Quem sabe você também esteja pensando que a rotina suga tanto suas energias que pouco sobra ânimo para as brincadeiras durante a semana, e evidentemente essa pode ser uma barreira, mas você já pensou em quanto é divertido brincar? Em quantas sensações revigorantes pode ter com pequenos momentos dedicados a isso? Digo isso por conhecimento de causa, pois quando atendo em clínica exclusivamente crianças, consigo abrir minha mente para decisões mais criativas! Vejo a vida de modo mais leve e pouco sobra tempo para o stress e para tensões. Estar com crianças é um constante aprendizado, é uma troca de experiências muito divertida.

        Mas talvez seja este o momento em que você esteja se questionando, qual a necessidade de brincar com meu filho se ele já brinca com os amiguinhos? O período de brincar é sagrado para a criança, pois além de trazer autoconhecimento, amplia aprendizados sobre o espaço e as relações.

        É algo que ultrapassa o campo do lazer e da distração, e quando os pais brincam com os filhos mostram o quanto valorizam essa relação, tornando a comunicação mais fluida e genuína.

       Fico imaginando que alguns pais podem não brincar com os filhos por acreditar que não tem habilidade para isso. Se esta é uma de suas razões, lembre-se que ninguém nasceu sabendo dirigir e você só se torna capaz de fazê-lo cada vez melhor conforme pratica. Brinque naturalmente, à sua maneira!

        Siga o ritmo da criança, deixe ela escolher os brinquedos e brincadeiras, apenas siga o fluxo e perceba o quanto te fará bem e agregará valor até mesmo a sua vida profissional, tornando melhor seu humor e disposição.

        Ok, mas que benefícios que seu filho terá com esses momentos?brincar compõe elementos fundamentais ao desenvolvimento infantil, pois coloca em evidência novas habilidades cognitivas, sociais e motoras.

       Sem contar que a criança pode ser ela mesma, expressar sua criatividade e treinar a tomada de decisões e o respeito às regras e limites, de modo natural, podendo replicar seu uso na convivência com outras pessoas.

         Portanto, arrisque-se! Coloque um pouco mais de brincadeira na rotina de sua família.

O que torna a gratidão tão importante na vida de uma criança?

Vanessa Gon, Psicóloga

     Atravessando os limites das palavrinhas mágicas, “por favor” e “obrigada”, a gratidão extrapola as regras da boa educação, trata-se diretamente da apreciação pelo que temos e a gostosa sensação que nos preenche por ser quem somos.

      Gratidão é o otimismo diante da vida e a contemplação daquilo que se tem, é viver em um estado que nos afasta de pensamentos amargurados, da inveja e do ressentimento, pois podemos reconhecer nossos dons, habilidades, potencialidades, facilidades e conquistas, nos tornando mais motivados para a vida, visto que nossa perspectiva da realidade vivenciada possibilita isso.

      As crianças são sempre lembradas sobre a importância de lidarem com o medo, a ansiedade, as relações sociais, a raiva, a hiperatividade ou a falta de atenção, porém, poucas vezes são convidadas a refletir sobre sua postura diante da vida.

      Você já agradeceu o que está à sua volta hoje? O que você pode aprender de bom com suas vivências? Ao ensinar a gratidão para crianças, possibilitamos aprendizados como respeito e admiração pelas experiências, pelas pessoas e pelo mundo em que que vivem, assim como condições para compreender os resultados de uma situação.

      Com isso, nosso maior desafio é observar nossa experiência pessoal e avaliar: Quanto de gratidão coloco em meu dia? Que parcela cerebral diária ocupo com a gratidão ao que sou e ao que tenho? Lembre-se: a criança também aprende pelo exemplo!

     Por vezes, ao analisarmos nossos pensamentos e comportamentos, constataremos que esquecemos de dar valor e sermos gratos ao que existe em nossa vida, e percebemos que somos os queixosos da segunda-feira, do clima, do trabalho, da família, etc., demonstrando aos nossos pequeninos que não temos o suficiente para sermos felizes.

     E então, como poderão desenvolver a gratidão? Existem várias formas, encontre a sua e apenas experimente! Olhe ao seu redor e ao entardecer liste pelo menos 03 acontecimentos positivos do seu dia, desde os mais grandiosos até os menos perceptíveis e os contemple, por um curto período de tempo. Você rapidamente perceberá o bem-estar e as mudanças fisiológicas provocadas, na respiração, na pulsação e no seu semblante, por ter recebido das pessoas, de si mesmo e da vida inúmeras dádivas.

    Visto que a gratidão gera afeto, bem-estar, tranquilidade e interfere em sua motivação para vida e autoestima, nada melhor do que provocar essas boas sensações praticando a gratidão com seus pequeninos! Eles ficarão gratos por isso, assim como estou por você me acompanhar nessa reflexão.

Era uma vez…

Histórias infantis ajudam crianças a elaborar conflitos emocionais

Vanessa Gon

Michelle Alencar Antunes

   Era uma vez… é assim que começam os contos infantis, onde castelos são encantados, porquinhos constroem casas, belas ficam adormecidas, anões moram em florestas, sereias vivem no mar, e a fantasia rola solta!

  As histórias infantis além de rotineiras e divertidas são muito benéficas para o desenvolvimento emocional das crianças, pois servem como um meio direto para expressão da fantasia, estimulando a criatividade e ajudando na elaboração de conflitos internos, como a rivalidade entre irmãos, o abandono, a rejeição, a tristeza, a inferioridade, entre outros. A criança ouve atentamente cada parte da historinha e além de estabelecer personagens preferidos, torce para que o vilão termine mal no final.

     Diferente do que se pensa isso não quer dizer que ela está desejando algo ruim a alguém, representa apenas que está reconhecendo a existência do bem e do mal, assim como a possibilidade de construir para si valores pessoais e coletivos.

   As historinhas ajudam ainda a trabalhar frustrações e, caso você não tenha percebido, os contos sempre apresentam em seu enredo um final feliz, que recompensam cada esforço em reagir frente aos desafios cotidianos, denotando a importância da persistência, do amor, do apoio, da união, da compreensão, da gratidão, da motivação, entre outros.

     As crianças elegem contos favoritos e pedem que os adultos os leiam várias vezes, pois reconhecem que algo ali alivia conflitos desconhecidos, como se fosse por mágica.

     Veja abaixo alguns temas de histórias infantis que auxiliam crianças a elaborar conteúdos específicos:

    Enquanto adulto, você pode ajudar a criança a escolher os temas das próximas histórias e, com certeza, também terá uma experiência mágica de contato e afeto com seu pequenino, voltando, pelo menos um pouquinho, a mergulhar no mundo da fantasia, vendo, ouvindo e sentindo a história por outros ângulos.